Guimarães será a única representante portuguesa no desafio mundial City Nature Challenge, que acontece de 27 a 30 de abril. A organização, em Guimarães, pertence ao Laboratório da Paisagem ao qual se juntam diversos outros parceiros. Os habitantes de 65 cidades de todo o mundo são convidados a encontrar e a fotografar a biodiversidade existente. Ganha quem encontrar mais.

Observar e enviar fotos de plantas, animais e fungos, usando a aplicação móvel criada pelo Laboratório da Paisagem, Biodiversity GO!. É este o desafio para os vimaranenses de 27 a 30 de abril, no âmbito do City Nature Challenge, que junta 65 cidades em todo o mundo, sendo que em Portugal só Guimarães participa.

Ao longo de quatro dias, estudantes portugueses e estrangeiros, seniores de instituições particulares de solidariedade social, escuteiros e comunidade em geral estão convidados a participar nas diversas iniciativas. O grande momento da iniciativa está marcado para a tarde de dia 28, sábado, no Parque da Cidade de Guimarães, com a realização do Bioblitz Guimarães 2018. Todos os vimaranenses, aspirantes a cientistas ou simples fãs da natureza e da ciência, de todas as idades e origens, estão convocados para fotografar toda a biodiversidade. Tudo conta!

Participar é muito simples. Procure a fauna e flora, que pode ser qualquer planta, animal, fungo ou qualquer outra evidência de vida. Tire uma foto, com a sua máquina fotográfica ou com o telemóvel e faça o upload da sua descoberta para a aplicação Biodiversity GO!, que está disponível gratuitamente nas lojas Android e IOS.

A participação de Guimarães City Nature Challenge é mais um exemplo de proteção e promoção da Biodiversidade que Guimarães pretende dar e que decorre da estratégia de promoção de biodiversidade encetada e presente na candidatura de Guimarães a Capital Verde Europeia. A organização da participação de Guimarães no City Nature Challenge 2018 tem a chancela do Laboratório da Paisagem e do Município de Guimarães, ao qual se juntam diversas outras organizações como a STOL – Science Through our Lives, Universidade do Minho, Curtir Ciência – Centro de Ciência Viva de Guimarães, AVE – Associação Vimaranense para a Ecologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Banco Local de Voluntariado de Guimarães, Erasmus Student Network Minho e Junta de Núcleo de Guimarães do Corpo Nacional de Escutas.


Objetivo é promover ciência cidadã

Há natureza em todas as cidades, e a melhor maneira de estudá-la é juntando comunidade e especialistas através da ciência cidadã. Com populações humanas em todo o mundo cada vez mais concentradas nas cidades, o estudo da biodiversidade urbana está a tornar-se rapidamente parte integrante do futuro das plantas e da vida selvagem na Terra. Grandes conjuntos de dados, museus de história natural e organizações científicas, ajudam as autoridades a tomar decisões de conservação informadas que permitem que os seres humanos coexistam de forma sustentável com as plantas e animais nos seus territórios.

Depois de lançar o primeiro City Nature Challenge em 2016, o Museu de História Natural do Condado de Los Angeles (NHMLA) e a Academia de Ciências da Califórnia (CAS) de São Francisco realizam a terceira edição. No ano passado, em todo o mundo, foram acrescentadas mais de 125.000 observações da natureza.
Este ano, o desafio expande-se, e os organizadores estimam que 500.000 observações serão feitas por mais de 10.000 pessoas em mais de 65 cidades participantes, como Barcelona e Madrid (Espanha), Buenos Aires (Argentina) Los Angeles, Miami e Nova Iorque (Estados Unidos da América), Hong Kong (China), Monterrey (México), Mumbai (Índia) ou Roma (Itália). Os dados coletados fornecem aos cientistas, educadores, pensadores urbanos e decisores políticos, informações sobre a biodiversidade urbana em todo o mundo, permitindo entender e conservar a vida selvagem urbana.

Os cientistas não podem estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, sem cientistas cidadãos e comunitários, eles perderiam algumas descobertas incríveis.

Conheça as várias atividades e inscreva-se gratuitamente. Saiba mais aqui.