O Laboratório da Paisagem de Guimarães, através do seu presidente Jorge Cristino, foi uma das entidades que reuniu esta segunda-feira, 29 de outubro, na Câmara Municipal de Guimarães, no âmbito do Plano de Ação de Combate à Poluição de todos os Rios de Guimarães, na sequência de um trabalho já iniciado em 2015.

Domingos Bragança, Presidente da Câmara Municipal de Guimarães, aponta como prioridade a estratégia ambiental para o território de vimaranense e defende a regeneração ecológica das linhas de água através de “um trabalho em conjunto, com melhor cooperação, e devidamente coordenado”, envolvendo as diversas entidades com responsabilidades na gestão dos recursos hídricos. Nesta reunião marcaram presença a Associação Portuguesa do Ambiente (APA), Águas do Norte, Vimágua, Tratave, Resinorte, Associação Vimaranense para a Ecologia, Laboratório da Paisagem, Estrutura de Missão para o Desenvolvimento Sustentável – Guimarães 2030 e ainda Polícia Municipal e SEPNA/GNR.

Com o objetivo de devolver os rios e as suas margens à comunidade, o Município de Guimarães lançou alguns desafios para o futuro, no sentido de aprofundar a articulação entre as diversas entidades, integrar conhecimento e partilha de informação, elaborar planos conjuntos de manutenção e limpeza, garantir celeridade na operacionalização de projetos através de maior intervenção, ação e investimento e planos de comunicação e partilha de conhecimento com os cidadãos.

A Câmara Municipal de Guimarães apresentou, ainda, um balanço das ações já realizadas e investimentos efetuados, que se traduz num maior número de comunicações ocorridas a partir dos próprios cidadãos. Na base destes resultados foram apontados exemplos de projetos como as “Brigadas Verdes” ou o Programa “PEGADAS” com as Escolas.

Domingos Bragança deu conta de “problemas infraestruturais que não estão bem resolvidos”, face o grau de exigência cada vez maior no capítulo da sustentabilidade ambiental. O Presidente da Câmara de Guimarães apelou à realização de “ações integradas, em especial da Vimágua, Águas do Norte, Tratave, Resinorte, APA – Agência Portuguesa do Ambiente entre outras entidades; se não cooperarem em conjunto não teremos sucesso”.

Para o efeito e no âmbito da nova Estrutura de Missão para o Desenvolvimento Sustentável, Guimarães 2030, será desenvolvido um trabalho de articulação ao nível técnico com todas as entidades, convocando para isso as presentes a realizar um novo Plano de Ação mais alargado para a Água na Bacia Hidrográfica do Ave.