Esta quarta-feira, 17 de outubro, os membros do projeto europeu RiskAquaSoil, reunidos em Guimarães, deslocam-se a Pedrógão Grande, uma das áreas afetadas pelos incêndios florestais de 2017, para se encontrarem com a Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande.

A reunião vai servir para a troca de experiências sobre os impactes que as alterações climáticas tiveram nos incêndios do ano passado, e no modo como as comunidades locais se podem tornar mais resilientes às alterações climáticas.

O projeto europeu RiskAquaSoil: Plano Atlântico de Gestão de Riscos no Solo e na Água, cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através Programa de cooperação INTERREG Espaço Atlântico, foi iniciado em 2016 e tem como objetivo central a deteção dos impactos das alterações climáticas nos espaços rurais, contribuindo para a gestão do risco, o uso dos recursos hídricos e do solo, a reabilitação de áreas agrícolas e o desenvolvimento de novas práticas.

O RiskAquaSoil reúne cerca de quatro dezenas de investigadores de Espanha, França, Irlanda, Portugal e Reino Unido. O  Laboratório da Paisagem de Guimarães e o Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra são os parceiros portugueses deste projeto.

Os parceiros irão combater os efeitos adversos das mudanças climáticas, especialmente nas áreas agrícolas, considerando três objetivos específicos: aviso precoce e diagnóstico – testando novas tecnologias remotas low-cost para medir e prever os impactos locais; implementação e adaptação, realizando ações piloto com comunidades dos espaços rurais para uma melhor gestão do solo e da água, tendo em conta os riscos associados às alterações climáticas; capacitação e difusão, através de formação e compromisso das comunidades locais e agricultores para um aumento da capacitação e informação para a gestão do risco e dos sistemas de compensação de danos.