PORTEFÓLIO DE ATIVIDADES

O Laboratório da Paisagem conta com um conjunto diversificado de atividades no âmbito da educação ambiental dirigidos para todos os públicos, onde procura sublinhar a importância da preservação da natureza e dos seus recursos. Intervir na paisagem, pensando Guimarães, perceber a importância das linhas de água e a sua conservação, entender a relevância da reutilização de materiais, ou até produzir velas ecológicas ou alimentares de aves, são algumas das atividades que propomos.

CIDADANIA & AMBIENTE

Memória 65+

A atividade consiste na reunião de propostas, discussão, síntese e apresentação de boas práticas ambientais. Com base nas narrativas biográficas e na memória do grupo de idosos do ‘Programa Guimarães 65 +’, a recolha de práticas e rotinas do quotidiano de outrora, hoje perdidas no tempo visam colocar em ação e difundir atitudes simples e modos de estar que podem contribuir em boa medida para um desenvolvimento sustentável: de que nada se deitava fora tudo se aproveitava; a água de lavagem dos vegetais pode ser usada para rega; a água da chuva re-aproveitada; a assunção de que caminhar 10 penosos minutos hoje, não se compara ao que os nossos “avós” em tempos realizavam; que a Quelidónia maior presente em qualquer “canto de terra” é antimicrobiana, etc.

A aplicação de um projeto ambiental com ênfase na sustentabilidade cultural possibilita de entre vários aspetos reconhecer os valores culturais locais, enfatizar a lógica cultural dentro das comunidades e de certa forma, nas tomadas de decisão, fazendo e tomando lugar o grupo sénior na missão e parte do processo para abordagens de participação comunitárias “na adaptação à mudança” ambiental.

Este apelo ao desenvolvimento local em pormenor entende o território como uma entidade em que é dada prioridade à consciência de lugar, e o envolvimento individual e coletivo multi-etário. Dentro deste contexto importa dar lugar ao conhecimento local e às práticas de gestão tradicionais (percebidas durante muito tempo como obstáculo para o Desenvolvimento), aceitando a diversidade das escolhas individuais e das práticas de grupo ao mesmo tempo que se traduz este reconhecimento em projectos práticos..

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Seniores
Duração: 90 minutos

A 1 de janeiro de 2016 entrou em vigor a resolução da organização das Nações Unidas (ONU) intitulada “Transformar o nosso mundo: Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, constituída por 17 objetivos, desdobrados em 169 metas, aprovada pelos líderes mundiais , a 25 de setembro de 2015, numa cimeira na sede da ONU, em Nova Iorque. Os 17 objetivos constituídos pretendem ser uma visão para a Humanidade e um contrato entre os decisores políticos e os povos. Neste âmbito a atividade propõe uma abordagem teórico-prática dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, no sentido de preconizar uma mudança de comportamentos no dia-a-dia.

Nota: Nesta atividade os participantes dos 6 aos 12 anos terão a oportunidade
de jogar um jogo de tabuleiro Humano.

Objetivos:
– Conhecer os ODS e suas metas;
– Compreender o papel individual
para o futuro do planeta.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Todos
Duração: 60 minutos

Conhecer os ODS
Objetivos do Desenvolvimento
Sustentável

Pegada Ecológica
Qual é a tua?

Conhecer a Pegada Ecológica é algo fundamental para mudar comportamentos. Nesta sessão vamos  descobrir qual o setor que mais contribui para a Pegada Ecológica do Município de Guimarães e propor formas de atuação. Vamos calcular a nossa pegada ecológica individual e tomar consciência do que podemos mudar no nosso dia-a-dia para garantir um concelho ambientalmente mais sustentável.

Objetivos:
-Compreender o conceito de Pegada Ecológica;
-Tomar consciência de que os nossos comportamentos diários influenciam o ambiente;
-Propor ações para mitigar os problemas ambientais;
-Calcular a pegada ecológica individual.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Todos
Duração: 60 minutos

Com esta atividade pretende-se que os participantes reflitam sobre os seus consumos e sobre o lixo que produzem diariamente. Pretende-se também que façam uma reflexão sobre a importância da mudança de paradigma de uma economia linear para uma economia circular. Objetivos: -Reconhecer comportamentos e praticas mais adequadas para a redução da produção de lixo individual;. -Adotar práticas de consumo responsável e sustentável; -Compreender o conceito de economia circular e a sua importância.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Todos
Duração: 45 minutos

Geração sem lixo

Eco-Friendly (…)
até a limpar

Nesta atividade propõe-se encontrar produtos naturais que possam ser alternativas aos detergentes usais do nosso dia-a-dia, bem como debater algumas dicas/curiosidades suportadas pelo conhecimento popular e por experiências dos nossos antepassados. Objetivos: – Promover a curiosidade pelo mundo natural e a cidadania ativa; – Conhecer a natureza e aprender a preservar a biodiversidade.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Todos
Duração: 90 minutos

Nesta atividades os rótulos e símbolos de diferentes produtos serão analisados à lupa. Cada participante será convidado a analisar os produtos e fazer escolhas sustentáveis mediante a informação constante dos rótulos bem como a definir o seu destino em caso de descarte.

Objetivos:
-Compreender a importância da informação existente nos rótulos dos bens e serviços para adoção de um consumo sustentável;
-Reconhecer símbolos para a decisão de consumo;
-Adotar comportamentos adequados para a valorização dos diferentes tipos de resíduos.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Todos
Duração: 60 minutos

Rótulos à lupa
Consumo sustentável

Em substituição das tintas convencionais, as tintas utilizadas (aguarela) serão resultantes da liquidificação e posterior filtração de alguns vegetais: o tomate dará origem à coloração laranja; a beterraba, morango e outros frutos silvestres à cor vermelha; a cenoura, pêssego, ameixa ao amarelo; o espinafre, a couve e a alface, à cor verde; enquanto que o chá e o café à cor castanha.Para além da tinta vegetal poderão ser criadas ainda tintas que estimulem os sentidos, ao dissolver-se especiarias (canela, açafrão, caril, colorau) em óleo alimentar até se obter a textura desejada permitindo pintar com cores e com aromas estimulando a criatividade infantojuvenil. Objetivos: – Promover a curiosidade pelo mundo natural e a cidadania ativa; – Conhecer a natureza e aprender a preservar a biodiversidade; – Adotar práticas de consumo responsável e sustentável; -Compreender o conceito de economia circular e a sua importância.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Todos
Duração: 90-120 minutos

Pintura ecológica

O Feijoeiro
Reciclagem & Ambiente

Através de diferentes tipos de resíduos os participantes são convidados a dar largas à imaginação e conceber um vaso reutilizável para a plantação de feijoeiro. Esta atividade pretende promover boas-práticas de valorização dos resíduos. Na sessão os participantes refletirão sobre o ciclo dos resíduos e a sua difícil decomposição na natureza. Objetivos: -Conhecer o conceito de Resíduo; -Compreender o ciclo de vida de um produto; -Conhecer formas de valorização dos resíduos; -Adotar comportamentos e práticas adequadas para a valorização dos diferentes tipos de resíduo.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
5-9 anos
Duração: 60 minutos

Reaproveitar os resíduos que produzimos é uma excelente forma de preservar o meio ambiente e poupar dinheiro. Um exemplo disso é a construção de flores ou construir sacos aromáticos através de materiais reciclados, mais concretamente, garrafas de plástico e botões ou então a produção de velas ecológicas a partir de óleo e velas usadas e de casca de laranja. Por outro lado, e sabendo-se que Portugal é um importante ponto de paragem para inúmeras aves migratórias, por que não construir alimentadores de aves a partir de material reciclado? E que outras coisas podemos afinal fazer a partir da reutilização de materiais?Durante esta atividade os participantes terão a oportunidade de aprender a fazer flores, sacos aromáticos, velas ou mesmo alimentadores de aves a partir de diferentes tipos de materiais utilizados e perceber que é possível transformar os materiais que já não necessitamos. Assim se junta arte e ambiente!

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
Todos
Duração: 60 minutos

Arte Ambiente
Reciclagem & Ambiente

Energias renováveis

A atividade promovida pelo Laboratório da Paisagem foca-se na exposição de diferentes fontes de energia elucidando sobre as vantagens e desvantagens de cada uma. Nesta abordagem teórica explica-se a importância das energias renováveis para a sustentabilidade energética. A atividade dispõe de uma demonstração prática do funcionamento da energia eólica. Objetivos: -Conhecer as diferentes fontes de energia; -Reconhecer vantagens e desvantagens de cada fonte energética; -Perceber as implicações que o modelo energético vigente tem sobre o meio ambiente; -Identificar energias limpas na promoção da eficiência energética.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
6-12 anos
Duração: 60 minutos

A qualidade da água não é apenas mensurável através de parâmetros quantitativos. Nesta atividade pretendese utilizar os sentidos para fazer uma caracterização organolética da água. O tato, a visão e o odor serão fundamentais para um registo qualitativo. Vamos experimentar a água! Objetivos: -Compreender como se afere a qualidade da água; -Compreender a importância da água como recurso essencial à existência de vida no planeta; -Assumir comportamentos que reflitam o respeito e valorização da água enquanto recurso.

Atividade: Prática
Público-alvo:
6-12 anos
Duração: 60 minutos
Máximo 30 participantes

Os sentidos da água

CIDADANIA & AMBIENTE

Jardins de aromas

Atividade que pretende dar a conhecer o mundo das aromáticas e a sua importância para a promoção da saúde e de práticas agrícolas sustentáveis. Abordar-se-á os benefícios de cada planta aromática e os cuidados a ter na sua plantação e manutenção. Os técnicos do Laboratório da Paisagem acompanharão toda a plantação de aromáticas, explicando todos os procedimentos e levando algum equipamento. O talhão que acolherá as aromáticas deverá ser definido e preparado previamente. Todas as aromáticas a plantar deverão ser trazidas pelos participantes. Poder-se-ão apoiar construções de jardins verticais de aromáticas. Caso não disponha de área exterior para a execução da plantação poderão ser desenvolvidos pequenos canteiros usando material reciclado.

Nota: Esta atividade poderá ser exclusivamente de exposição teórica ou poderá ter um caráter prático.

Objetivos:
-Distinguir as diferentes plantas aromáticas e os seus usos;
-Aprender a realizar a plantação de acordo com as especificidades de cada espécie;
-Conhecer os procedimentos adequados para a manutenção da plantação;
-Compreender a importância de da agrícultura sustentável.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 90 minutos

Espécies invasoras são espécies não nativas que causam impactes ambientais e económicos negativos. Nesta atividade pretende-se dar a conhecer a problemática das espécies invasoras como uma das principais causas da perda de biodiversidade. Será dado foco a espécies presentes no concelho de Guimarães com observação in loco de algumas espécies. Serão abordadas a identificação, ecologia e métodos de combate a espécies invasoras assim como medidas de mitigação dos impactos causados pela sua presença.

Nota: Esta atividade poderá ser exclusivamente de exposição teórica ou poderá ter um caráter prático.

Objetivos:
– Reconhecer o impacto ambiental à escala do planeta e local da invasão de habitats por espécies exóticas; – Reconhecer as consequências das atividades e atitudes humanas nos diferentes ecossistemas;
– Participar em ações para a preservação da Biodiversidade local;
– Capacitar para a identificação e controlo de espécies invasoras;
– Promover o envolvimento como cidadão na preservação do ambiente

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 120 minutos

007 Invasoras
Licença para eliminar

Coleção botânica

A atividade consiste na criação de um herbário. O herbário é uma coleção de plantas, organizadas, ficando disponíveis como referência ou para estudo. A criação de um herbário consiste na colheita e conservação de exemplares de plantas etiquetadas. A etiqueta de cada planta é o seu cartão de identificação onde devem constar as informações: local e a data da colheita, nome do colector e a identificação da espécie.

Nota: Os participantes deverão recolher as folhas em bom estado ou pequenos ramos com folhas para levar para a sessão (privilegiar espécies autóctones: carvalhos, loureiro, medronheiro, etc.). Serão identificadas as folhas na sessão e explicado todo o processo de conservação e criação do herbário.

Objetivos:
– Conhecer a flora autóctone;
– Conhecer a biodiversidade do concelho de Guimarães;
– Compreender e conhecer conceitos da ecologia e biologia;
– Sensibilizar para a importância do conhecimento do meio natural.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 60 minutos

Nesta atividade os participantes são convidados a identificar e ordenar, fazer corresponder corretamente as sementes com as imagens das variadas espécies vegetais que habitualmente consumimos. Ao mesmo tempo, serão informados em diálogo de algumas particularidades das sementes e plantas desde o ponto de vista de adaptabilidade ao meio e propagação genética da espécie. No final, num curto percurso, visita-se próximo ao laboratório alguns cultivos existentes na Veiga de Creixomil.

Objetivos:
– Conhecer a flora que faz parte da nossa alimentação;
– Conhecer a agro-diversidade do concelho de Guimarães;
– Compreender e conhecer conceitos de agricultura, ecologia e biologia;
– Sensibilizar para a importância do conhecimento do meio natural e rural.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 90-120 minutos

Conhecer
as sementes

As árvores
do campus

Pelo Campus da Universidade do Minho vamos identificar as árvores e conhecer melhor as suas características . Poderá recolher-se material para a criação de um herbário.

Objetivos:
– Conhecer a flora autóctone;
– Conhecer a biodiversidade do concelho de Guimarães;
– Compreender e conhecer conceitos da ecologia e biologia;
– Sensibilizar para a importância do conhecimento do meio natural.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 90 minutos

A atividade será dividida numa apresentação teórica e numa parte prática onde serão observados e identificados à lupa alguns insetos aquáticos, chamados macroinvertebrados. Propõe-se alertar para a importância dos insetos aquáticos nos rios, a sua posição nas cadeias tróficas aquáticas e o seu papel como bioindicadores da qualidade ecológica dos rios.

Objetivos:
– Compreender possíveis consequências da contaminação da água na vida das atuais e futuras gerações;
– Sensibilizar para a importância da preservação dos recursos hídricos e da sua monitorização.
– Compreender a importância da água como recurso essencial à existência de vida no planeta.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 60 minutos

Ser cientista
por um dia

Biodiversity GO!
À descoberta da biodiversidade

A atividade será dividida numa apresentação teórica e numa parte prática onde serão observados e identificados à lupa alguns insetos aquáticos, chamados macroinvertebrados. Propõe-se alertar para a importância dos insetos aquáticos nos rios, a sua posição nas cadeias tróficas aquáticas e o seu papel como bioindicadores da qualidade ecológica dos rios.

Objetivos:
– Compreender possíveis consequências da contaminação da água na vida das atuais e futuras gerações;
– Sensibilizar para a importância da preservação dos recursos hídricos e da sua monitorização.
– Compreender a importância da água como recurso essencial à existência de vida no planeta.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 60-90 minutos

Nesta atividade pretende-se dar a conhecer a biodiversidade de espécies da Montanha da Penha. Será dado foco a espécies presentes no concelho de Guimarães com observação in loco. Serão abordadas a identificação e ecologia de algumas espécies da fauna e flora, com destaque à importância da sua conservação.

Objetivos:
-Reconhecer a diversidade biológica da Montanha da Penha;
-Reconhecer as consequências das atividades e atitudes humanas nos diferentes ecossistemas;
-Participar em ações para a preservação da Biodiversidade local;
-Capacitar para a identificação e controlo de espécies;
-Promover o envolvimento como cidadão na preservação do ambiente.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 90 minutos

A vida secreta das criaturas da Penha

Atelier de construção de caixas-ninho, onde se aborda a importância da diversidade de avifauna e da colocação destas estruturas que beneficiam a sua presença. Esta oficina conta com a posterior colocação das caixas construídas durante o atelier. Será, ainda, abordada o plano de monitorização das caixas-ninho e de boas-práticas de interação com a fauna silvestres.

Objetivos:
-Reconhecer a diversidade de avifauna vimaranense;
-Reconhecer as consequências das atividades e atitudes humanas nos diferentes ecossistemas;
-Participar em ações para a preservação da Biodiversidade local;
-Promover o envolvimento como cidadão na preservação do ambiente.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 150 minutos

Atelier de construção de caixas-ninho

Parque da Cidade
Paisagem e cultura

Visita interpretativa que dará conta da história ambiental do Parque da Cidade de Guimarães refletindo sobre os anteriores usos do solo. Paralelamente abordar-se-á o conceito de paisagem numa perspetiva dinâmica, alertando os participantes para o carácter mutável da paisagem. Pretende-se que os visitantes ampliem os seus conhecimentos sobre a paisagem cultural vimaranense.

Objetivos:
-Compreender o conceito de paisagem e as suas dinâmicas.

Atividade: Visita
Público-alvo:
 Todos
Duração: 120 minutos

Ecossistemas ribeirinhos urbanos é uma atividade em que se pretende aproximar os participantes à natureza envolvente. Esta atividade inclui a observação do ecossistema associado a um troço de ribeira, com foco na identificação da fauna e flora, assim como alertar para a qualidade da água.

Objetivos:
-Identificar e compreender os indicadores da qualidade da água;
-Compreender a importância; da água como recurso essencial à existência de vida no planeta;
-Assumir comportamentos que reflitam o respeito e valorização da água enquanto recurso.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 120 minutos

Ecossistemas ribeirinhos urbanos

Montanha
da Penha
Geologia e História

Esta atividade aborda as principais dinâmicas de formação da crosta terrestre aplicada à Serra da Penha, e pretende sintetizar a informação quanto à formação do relevo do ponto de vista geográfico e apontar algumas características morfológicas em terreno, em particular as formas graníticas.

Objetivos:
-Compreender o papel fundamental do solo enquanto suporte da paisagem, das atividades humanas e de grande parte da vida na terra.
-Reconhecer as formações geológicas e suas propriedades.

Atividade: Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 180 minutos

Esta atividade divide-se numa componente teórica e outra prática. A primeira componente pretende assegurar o conhecimento dos conceitos relacionados com o solo e a sua erosão, distinguindo as causas naturais e humanas e sensibilizando para as consequências da ação humana. A segunda componente pretende que de forma prática se compreenda a ação dos agentes erosivos, com especial foco para a demonstração da importância da cobertura vegetal do solo na protecção contra a erosão.

Objetivos:
-Compreender o papel fundamental do solo enquanto suporte da paisagem, das atividades humanas e de grande parte da vida na terra;
-Compreender que o solo não é um recurso renovável;
-Tomar consciência das principais ameaças ao solo;
-Compreender que as atividades humanas são as principais responsáveis pela degradação do solo.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 90 minutos

Solo

Postais ilustrados
Experimentar Guimarães

Após uma breve contextualização teórica de três conceitos geográficos: o conceito de lugar, espaço e paisagem, os participantes serão divididos em grupos, numa primeira fase, sendo-lhes solicitada a montagem e ordenação cronológica dos postais de um local especifico de Guimarães. Numa segunda fase, cada participante é desafiado para a experiência com as imagens dos postais atuais como forma de conhecer/pensar os sentidos espaciais da cidade de Guimarães. Os participantes, ao rasurar os postais expressarão a força imaginária do olhar para a paisagem urbana, descobrindo novas perspectivas, elaborando novos sentidos de lugar e propondo a existência de uma outra cidade sobre a retratada.

Objetivos:
-Compreender o papel fundamental da paisagem;
-Promover a curiosidade pelos conceitos geografia e a cidadania ativa.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 7-14 anos
Duração: 120-150 minutos

A atividade proporciona o contacto e exploração com o território vimaranense por via de uma maquete a três dimensões (3D). A orientação e o conhecimento de escala do território é o objectivo principal da actividade.Onde se situam as montanhas, que rios principais existem em Guimarães, quais as cidades vizinhas de Guimarães, e quantas? São algumas das respostas que a actividade responde.

Objetivos:
-Compreender o papel fundamental da paisagem;
– Conhecer o território em contexto geológico e geomorfológico;
-Promover a curiosidade e a cidadania ativa.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 6-16 anos
Duração: 90 minutos

Conhecer o território

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Reciclar é fixe
Resinorte

Nesta atividade promovida pela Resinorte, procura-se sublinhar a importância da reciclagem e o conceito de Reduzir, Reutilizar e Reciclar. Para além disso, desfazem-se alguns mitos e esclarecem-se todas as dúvidas sobre o processo de reciclagem. Será necessário lavar as embalagens antes de as colocarmos no EcoPonto? O que acontece às embalagens usados que depositamos nos EcoPontos? Descubra algumas destas curiosidades com esta atividade. Porque se é verdade que a percentagem de resíduos reciclados continua a aumentar em Portugal, os valores são ainda pouco expressivos, quando comparados com a totalidade dos resíduos recolhidos, por isso, venha aprender a reciclar e contribua para a proteção do meio ambiente.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 Todos
Duração: 90 minutos

Oficina do pão
Cor-de-tangerina

Oficina prática de preparação de vários tipos de pão, atendendo às necessidades de saúde dos idosos. Proposta de confeção com base em cereais integrais, sementes e outros produtos naturais que promovam o consumo de um pão mais saboroso, saudável e criativo. Nesta oficina, o orientador explica brevemente os ingredientes e o processo de amassar o pão à mão e vai estimulando que cada idoso produza o seu próprio pão. As histórias de vida de cada um relacionadas com o tema (rituais, tradições, memórias, rezas sobre o pão…) permitirão ainda uma ação participada pelos idosos e pelos técnicos presentes.Acreditamos fortemente que a restauração da alegria e da motivação crescem destes pequenos momentos de encontro e aprendizagem, partindo do contributo de cada um como único e irrepetível. O objetivo é potenciar a criatividade do idoso, promover a entreajuda e a cooperação, estimulando a ativação da motricidade e a agilidade, da memória, bem como a participação e a comunicação, o paladar, o tacto e o olfacto.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 Sénior
Duração: 90 minutos

Oficina prática de recriação de doces festivos (pães de leite, bolo-rei, …) com redução ou exclusão de açúcar e outros ingredientes que dificultem a manutenção da saúde do idoso. Propomos assim, a confecção de doces com a utilização de produtos naturais que favoreçam a criatividade e uma saúde mais plena e igualmente saborosa. A celebração de alimentos tradicionais de forma mais saudável, a promoção da saúde, a melhoria do sistema circulatório sanguíneo, manutenção dos níveis de diabetes e colesterol, estimulação da flora intestinal, ativação da motricidade fina e flexibilidade são alguns dos objetivos.

Atividade: Teórica e Prática
Público-alvo:
 Sénior
Duração: 90 minutos

Doces festivos reinventados
Cor-de-tangerina

Formulário de inscrição