O Dia Mundial da Criança, que se comemora esta quarta-feira, 01 de junho, é a data escolhida para a plantação simbólica de uma árvore por cada instituição que abraçou o programa “Guimarães Mais Floresta”, projeto conjunto lançado pelo Município de Guimarães, Laboratório da Paisagem e Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Guimarães.

Na cerimónia, que decorrerá na Horta Pedagógica a partir das 10:30 horas, serão igualmente plantadas outras três árvores em nome do Infantário Nuno Simões, Infantário da Ordem S. Francisco e em representação do PEGADAS – Programa Ecológico de Guimarães para a Aprendizagem do Desenvolvimento Ambiental Sustentável, simbolizando o envolvimento das escolas. A iniciativa terá um efeito multiplicador a 21 de março de 2017, Dia da Árvore, data escolhida para a plantação efetiva de mais de 15 mil árvores angariadas junto das instituições concelhias.

Inspirado no conceito do programa PEGADAS, que visa o desenvolvimento sustentável do concelho e a promoção de políticas para o ambiente, ecológicas e inclusivas, o Município e a CPCJ de Guimarães propuseram o estabelecimento do paralelismo entre a promoção e proteção ambiental com a promoção e proteção infantojuvenil, também eles garante do nosso futuro próximo.

Assim, nasceu o projeto “Guimarães Mais Floresta”, através do qual cada criança/jovem do concelho foi convidada, através do seu estabelecimento de ensino, a semear e plantar uma árvore, batizando-a com o seu próprio nome. A árvore, que cada um se apropriará e chamará de sua, é um exemplar único que deverá ser protegido durante todas as suas fases de crescimento, tal como acontece com cada criança, garantindo-se um crescimento saudável e harmonioso.

Programa ambiental para todas as idades
O projeto, integrado no movimento Guimarães Mais Verde, vai de encontro a duas dimensões fundamentais: a reflorestação de zonas verdes do concelho, o que permite contribuir para o movimento cívico Plantar Portugal, o qual estabelece metas para cada município para a reflorestação com árvores autóctones (20 mil até 2025), e por outro lado, a valorização dos indicadores relacionados com os espaços verdes, natureza, biodiversidade e qualidade do ar, no âmbito da candidatura a Capital Verde Europeia 2020.

Com o projeto “Guimarães mais Floresta”, pretende-se plantar mais de 15 mil novas árvores autóctones, que beneficiarão o território e toda a comunidade vimaranense, numa ação que se renovará anualmente. O convite para participar foi endereçado a todos os escalões etários, assumindo assim um carácter transgeracional, envolvendo a população sénior através dos centros de dia, lares ou outras estruturas a eles dedicadas, bem como entidades e instituições de solidariedade e responsabilidade social.