Foi apresentado publicamente o projeto VIMACT – Ação Climática Vimaranense pela Redução da Pegada Ecológica, da autoria do Laboratório da Paisagem de Guimarães e cofinanciado pela União Europeia, Fundação AMI e Instituto Camões. A apresentação teve lugar no auditório do CAR – Circulo de Arte e Recreio, juntando escuteiros, representantes de brigadas verdes e juntas de freguesia.

O objetivo principal do VIMACT, da responsabilidade dos investigadores do Laboratório da Paisagem Ana Morais e Nuno Silva é, segundo os próprios, “o incremento da biodiversidade e consequentemente da biocapacidade vimaranense, pela renaturalização e recuperação da paisagem da montanha da Penha.” De acordo com os responsáveis, pretende-se ainda “envolver a sociedade civil promovendo a participação pública em todo o processo e sensibilizando para a redução da Pegada Ecológica individual”.

As ações previstas, passam pela construção e implementação de infraestruturas verdes, nomeadamente um charco e um corredor ecológico florestal. Neste sentido serão realizadas formações teórico-práticas incluindo a construção de um charco permanente junto ao observatório de avifauna que irá nascer na Montanha da Penha e plantação de um bosque autóctone com o intuito de potenciar a criação de um corredor ecológico.

O conjunto de atividades planificadas, sempre com a inclusão participativa da população, potenciará a biocapacidade, por exemplo, aumentando a capacidade de sequestro de carbono, e sensibilizará para estilos de vida mais sustentáveis, reduzindo a Pegada Ecológica individual e global.

Este projeto associa-se à concretização do 13º objetivo de Desenvolvimento Sustentável idealizado pela ONU – “adotar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os seus impactos”.