O que pode visitar na Rota da Sustentabilidade?

Áreas de natureza, infraestruturas e serviços que demonstram soluções integradas e ambientalmente sustentáveis, que respondem às necessidades da cidade e aos desafios globais. Guimarães mostra-se assim alinhada com os desafios europeus e nacionais, que visam a promoção de soluções que mitigam o impacto das alterações climáticas, tornando a cidade um exemplo de boas práticas a seguir no que concerne à sustentabilidade.

1 – Penha

É o principal pulmão verde de Guimarães, sendo também o ponto mais alto do concelho. A montanha da Penha destaca-se, quer pela impactante vista sobre a cidade, quer pela riqueza paisagística, constituída por um arvoredo denso e forte imponência dos afloramentos graníticos. Para além do incomensurável valor ecológico e paisagístico reúne, harmoniosamente, atividades de vertentes distintas como religiosa, cultural, desportiva, turismo ou lazer.

2 – Academia de Ginástica 

Inaugurada em 2017, a Academia de Ginástica é um edifício modelo construído com materiais inovadores e um elevado grau de eficiência energética. Apresenta-se como um edifício autossustentável com emissões de carbono próximas de zero. O exterior do edifício capta a atenção pelos 2000m2 de revestimento a cortiça, material 100% ecológico; possui um reservatório de 650m3 para a recolha de águas pluviais, para uso sanitário e arrefecimento de equipamentos AVAC; dispõe de sistemas passivos de captação de energia com 1300m2 de painéis solares e 10km de rede geotermia para climatização; apresenta 4km de iluminação 100% LED para a iluminação artificial.

3 – Parque da Cidade

O Parque da Cidade de Guimarães localiza-se, na freguesia da Costa, em pleno centro da cidade e destaca-se por ser o maior espaço verde público no perímetro urbano de Guimarães. Apresenta uma extensão de 30 hectares, onde privilegia a manutenção das estruturas constituídas por pedra e vegetação preexistente como referência. O parque é atravessado por uma linha de água, entre pequenos muros de contenção, a ribeira da Costa/Couros, afluente do rio Selho, constituindo um elemento essencial para a criação da diversidade ecológica e paisagística da zona.

4 – Bacias de Retenção 

Reconhecidas com um modelo na adaptação às alterações climáticas, a construção de três bacias de retenção permitiram reter e regular os caudais que que ali afluem num total de 25.500m3 de água. Resolveram o habitual problema grave das cheias na zona baixa da cidade, provocadas pela subida do caudal da ribeira da Costa/Couros. O projeto privilegiou ainda a valorização e preservação dos espaços verdes envolventes, a consolidação da galeria ripícola e a sustentação estrutural das margens, com recurso a vegetação autóctone.

5 – Couros

Exemplo maior de reabilitação urbana, Couros guarda grande parte da história de Guimarães como uma das principais potências industriais do país. Essa mesma reabilitação permitiu que a ribeira da Costa/Couros corra hoje com vida por entre a história que esta zona central nos reserva. Atualmente, e com a iniciativa Bairro C, Couros é também palco de diversas manifestações artísticas a não perder.

6 – Horta Pedagógica

Surgiu em 2018 com o objetivo de transportar para a vida urbana a experiência do campo e alargar o conceito de que o espaço de habitar deve partilhar o equilíbrio com a natureza. Dado à forte adesão do projeto, em 2011 a área cultivável foi alargada, sendo atualmente um espaço de visita, com um conjunto de atividades de educação ambiental, espaços dedicados à compostagem e múltiplas iniciativas nas datas comemorativas do calendário rural/ ambiental. Atualmente, a Horta Pedagógica estende-se, na Veiga de Creixomil, por uma área de 6,15 hectares com solos férteis e irrigados, atravessada pela Ribeira da Costa/ Couros.

7 – Veiga da Creixomil

Planície fértil por excelência, é refúgio de inúmeras espécies sendo um excelente local de observação da biodiversidade em Guimarães, a apenas dez minutos do Centro Histórico. Esta vasta área verde, com cerca de 300 hectares, é uma das áreas geográficas mais valiosas do concelho que, para além de palco de biodiversidade também o é de práticas agrícolas centenárias. Na Veiga de Creixomil depara-se com o cruzamento entre duas importantes linhas de água, a ribeira da Costa/Couros e o rio Selho, esta última paredes-meias com o Laboratório da Paisagem.

8 – Laboratório da Paisagem

De uma antiga unidade fabril localizada na margem do rio Selho, nasceu o Laboratório da Paisagem de Guimarães, resultado de uma reabilitação concluída em 2014. Este instituto acolhe investigadores nas mais diversas áreas da sustentabilidade ambiental e técnicos de educação ambiental. Atua numa base multidisciplinar nas áreas da Natureza e Biodiversidade, Economia Circular, Recursos Hídricos, Território e Paisagem e Ambiente Urbano. Coordena ainda programas de educação ambiental, promovendo a ciência junto de diferentes públicos, sendo também a sede da Estrutura de Missão Guimarães 2030.